A Canabis medicinal é legalizada no Japão?

Pode ser que você já tenha ouvido falar no CBD, sigla para Canabidiol, ou até mesmo se deparado com algum produto em uma loja no Japão, mas pode estar com a seguinte dúvida: produtos derivados da canabis são legalizados no Japão?

 

O Japão possui uma legislação antidrogas muito rígida. Se uma pessoa for pega portando maconha, não importa a quantidade, ela estará sujeita a prisão e multa. Até mesmo pessoas famosas no país já foram presas por portar quantidades de maconha que no Brasil a definiriam como usuárias.

A guerra às drogas no Japão foi estabelecida após a segunda Guerra Mundial, até aquele momento o cânhamo, uma espécie de canabis sem efeito psicoativo, era cultivada em várias fazendas e amplamente usada na indústria. Além dos artefatos de cânhamo, a planta também foi e continua sendo utilizada nos templos para confecção de cordas com poder de afastar maus espíritos. No entanto, o Japão como perdedor da Guerra foi submetido aos EUA que precisavam de mercado para vender seus produtos sintéticos e esse foi um dos grandes motivos para que o cânhamo fosse considerado ilegal.

A legislação japonesa não permite a produção e nem a comercialização de produtos feitos com as flores e folhas da canabis, e isso abre uma brecha para que produtos feitos com o caule e sementes sejam utilizados. Também não é possível que produtos contenham THC, a substância responsável pela psicoatividade, tão procurada para quem faz o uso recreativo da canabis.

Desde 2018 produtos que popularmente receberam o nome de CBD são comercializados no Japão, desde que atendam aos requisitos da lei: não conter THC e ser feito do caule e/ou sementes.

Podemos encontrar basicamente duas formas de produtos que contenham o CBD: no formato broad spectrum, traduzido como espectro amplo, e o CBD isolado.

No caso dos produtos de CBD de espectro amplo existem outros componentes da planta, somente o THC não está presente, isso significa que mais de 100 outros canabinóides e diversos terpenos constituem um produto rico e capaz produzir muitos benefícios à saúde com seu efeito de sinergia. No resumo, a soma dos componentes produz um efeito muito melhor.

Já o CBD isolado é extraído da planta sem nenhum outro componente e por isso, não interage com nenhum outro componente da planta. A extração resulta num pó que pode ser diluída em diversos meios como óleos, bebidas ou alimentos como chocolates, biscoitos, barras de cereais, entre outros.

Vários estudos indicam resultados positivos do CBD para diversas doenças, mas também a prática clínica tem relatado muitos benefícios, entre eles podemos citar o uso para dores crônicas, epilepsia, enxaqueca, problemas gastrointestinais, câncer, aids, Alzheimer, Parkinson e problemas no sistema imunológico.

No caso da saúde mental há relatos de melhora nos casos de autismo, depressão, ansiedade e psicose, mas aqui tratamos o uso do CBD como um caso à parte. Primeiro precisamos ter claro que o CBD não funciona com doses padrões, isso porque depende da reação de cada um e a resposta produzida pelo nosso sistema endocanabinóide, aquele que responde ao CBD. Segunda questão: embora o CBD seja alvo de uma propaganda que o coloca como substância milagrosa, ele não o é. Além disso, algumas pessoas relatam muitos efeitos colaterais e até mesmo dificuldade de metabolização, embora a toxicidade seja muito baixa. E por último, embora o CBD seja uma substância muito melhor que as medicações psiquiátricas, as questões psíquicas estão relacionadas com a história de vida de cada um e as marcas deixadas na nossa constituição. O CBD pode trazer alívio e uma melhora no equilíbrio orgânico, mas não trará a cura.

Outra questão que não podemos deixar de lado no contexto do Japão é que a maioria dos trabalhadores brasileiros estão inseridos nas fábricas e exercem o trabalho que o povo japonês recusa: trabalhar por muitas horas, executando um trabalho pesado e muitas vezes sujo. O trabalho é algo fundamental para o ser humano e o ambiente de trabalho pode ser fator de piora ou desencadeante de psicopatologias.

Em comparação com medicações psiquiátricas o CBD não causa dependência, não provoca alterações permanentes na dinâmica cerebral, não possuem alta toxicidade e contribuem para reequilibrar o sistema endocanabinóide, responsável pela regulação de nosso corpo como um todo. Estamos falando de uma substância com muitas propriedades medicinais, mas ela não é a salvação para todos os males da humanidade. Ela pode te ajudar, mas pode não é a pílula milagrosa que idealizamos.

Então, se você está pensando em experimentar o CBD, mas tem receio de sua legalidade, fique sabendo que ele é legalizado desde que atenda a legislação. Lojas confiáveis de venda do produto costumam exibir a documentação mostrando a inexistência de THC, a substância que não é permitida no Japão. Comprar o produto no Japão e não fora também pode ser uma boa maneira de se precaver. Atento a estas questões você não terá problemas.

 

O Amae Institute é um espaço de atendimento psicanalítico, formação e reflexão em Saúde Mental para brasileiros no Japão.

Realizamos atendimentos particulares por videoconferência.

Os valores das sessões de psicanálise são combinados caso a caso diretamente com o analista.

Também realizamos orientações para o uso do CBD.

Deixe um comentário